Inevitável retração na quantidade de máquinas que mineram o Bitcoin pode acelerar a centralização da emissão de Bitcoins nas mãos de grandes mineradores.

 

 

Enquanto o balanço financeiro entre os custos da mineração e a venda do Bitcoin é positivo certamente a quantidade de mineradores na rede permanece numa tendência de alta. Com a chegada do “bear market” e a inevitável queda do valor do Bitcoin em doláres, a diferença
entre os custos de mineração e a venda dos Bitcoins no mercado tem se tornado negativa.

 

No mês de dezembro tivemos um ajuste de dificuldade no hashrate com uma queda de 15.1 por cento, a segunda maior queda no hashrate da
história do Bitcoin. Isso se deve ao fato de uma grande parte dos mineradores estarem desligando suas máquinas devido ao balanço negativo entre os custos de manutenção das mineradoras e o valor do Bitcoin. Desde o mês de outubro o hashrate acumula uma queda de quase 50 por cento.

Estudos realizados pela BitMex Research mostram que no mês de novembro 1.3 milhões de mineradoras Antminer S9 foram desligadas completamente. O desligamento das máquinas faz com que a dificuldade para se encontrar um bloco minerável seja menor o que consequentemente pode atrair novos mineradores. Por outro lado, o desligamento das máquinas combinado com a tendência de queda no valor do Bitcoin apontam uma tendência de baixa no valor que pode colocá-lo numa “Death Spiral”.

 

No mês de novembro, o valor de revenda dos Bitcoins minerados em um dia se aproximou rapidamente do custo de eletricidade desses mesmos
Bitcoins gerados em um dia. O mesmo estudo da BitMex Research mostra que uma grande parte dos mineradores de cripto estão fechando o mês
com balanço negativo.

Andreas Antonopoulos, advogado, estudante pioneiro da arquitetura do Bitcoin e autor de vários livros sobre o assunto, entre eles um livro consgrado “Mastering Bitcoin: Programming the Open Blockchain”, aponta que a diminuição do hashrate beneficia os grandes mineradores. Os investimentos acumulados em cripto, o vasto aparato para mineração e longos contratos de compra de energia fizeram dos grandes mineradores grandes gestores de investimento com a capacidade de continuar operando suas mineradores com um “loss” afim de colher maiores lucros no futuro.

 

Seguindo nessa linha é interessante perceber que o valor do Bitcoin pode realmente sofrer uma forte valorização nos próximos anos com a centralização de uma boa quantidade na mão de poucos que tem o interesse na tecnologia e no retorno financeiro. Esse é o momento de fazer pequenas entradas com capital de risco para poder aproveitar o próximo “bull run”.



Assine a newsletter do Moeda

Receba semanalmente as mais relevantes notícias, análises e ICOs.